Startup, apesar de ser um termo muito comum nos dias de hoje ainda existe quem não saiba, de forma simples, o que é uma startup, qual o seu tamanho, como crescem e como obtém investimento e reforçam o ecossistema económico em Portugal.

O que é uma Startup?

É uma empresa em fase embrionária, geralmente no processo de implementação e organização das suas operações. Pode não ter ainda iniciado a comercialização dos seus produtos ou serviços, mas já está a funcionar ou, pelo menos, em processo de instalação. A ideia é viável.

Qual é o tamanho?

As startups são empresas de pequena dimensão, mas desenvolveu-se um interesse cada vez maior das indústrias tradicionais na criação e desenvolvimento de conceitos inovadores através destas empresas. Deste modo, as start-ups podem ser pequenos projetos empresariais, ligados à investigação e desenvolvimento de ideias inovadoras, frequentemente de base tecnológica, mas também podem resultar da iniciativa de grandes grupos empresariais, como no caso da indústria de componentes automóveis ou de telecomunicações.

O que é uma startup de forma simples?

Qual o seu potencial de crescimento?

As startups diferenciam-se, geralmente, por serem empresas muito dinâmicas e com um potencial de crescimento bastante rápido que, muitas das vezes, resulta da sua ligação às universidades e laboratórios ou então à utilização e aplicação da sua tecnologia e know-how no mundo empresarial. Podem gerar grupos empresariais de pequena e média dimensão, muitas vezes com expansão a nível internacional. Em alguns casos, estas empresas são depois compradas por empresas de maior dimensão, que beneficiam da inovação tecnológica destas startups.

Como é que recebem investimento?

O elevando potencial de crescimento de algumas destas empresas faz com que consigam atrair investimento externo, nomeadamente de empresas de capital de risco. Grande parte do financiamento destina-se, geralmente, ao lançamento dos produtos, serviços ou dos conceitos, até então, desenvolvidos, bem como ao marketing inicial. Neste estágio de desenvolvimento, as startups não são, normalmente, lucrativas mas, devido ao seu potencial, podem representar boas oportunidades de investimento.

Como são as Startups portuguesas?

De acordo com o relatório do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação, do Observatório de Criação de Empresas, de 2007, as startups portuguesas são maioritariamente sociedade por cotas, em média, com 2 sócios. Iniciam a sua atividade com capital social mínimo e já ocupam praticamente todos os setores de atividade. Metade das startups tem no mercado local a sua principal fonte de receitas – 46,8% das empresas recém constituídas preveem realizar pelo menos metade da sua faturação a menos de 25 km da sua sede no primeiro ano, sendo que 21,3% vão, inclusivamente, operar exclusivamente a nível local.